Muito se fala em democracia e liberdade de expressão, mas ainda considero longe a plenitude de ambos! Nossas rádios,  TV’s,  jornais e revistas estão ainda com resquícios do domínio governamental, pois vivem ou dependem de verbas governamentais, aquelas vindas das propagandas do governo e coisas do tipo. Quem fala o que quer, fatalmente pode sair do ar, pois as malditas concessões são propriedades dos mandantes, e estes são os maiores interessados no engessamento da informação, manipulando a seu gosto as massas Brasil a fora. Ontem ouvi o Ratinho meter o pau na internet, segundo ele alguns BLOG’s e sites publicam mentiras sobre os nobres políticos brasileiros… Será mentiras ou serão verdades que incomodam? A internet tem que ter lei sim, não é terra de ninguém! Mas não pode seguir jamais o exemplo das grandes redes de rádios e televisões, que buscam unicamente o lucro, deixando de lado o povo que anceia por informação e verdade! Responsabilizar criminalmente aqueles que usam da rede para denegrir, enganar ou ainda discriminar, é mais que justo, é urgente. Mas censurar,  editar ou controlar o conteúdo é inaceitável! Não é tolerável que se trate a todos como bandidos ou subversores. Eu mesmo já fui tolido no meu direito de expressão na TV, radio e alguns sites comprados, senti na pele a frustração, a impotência diante das forças do mal (censura). E ainda dizem que vivemos num país democrático e livres, onde? Somos  sim um povo manso por natureza, aceitamos desaforos e injustiças, estamos acomodados e sentenciados a viver um misto de ditadura e democracia. Democracia não é terra sem lei, muito pelo contrário; nela a leis são para todos e não para os mais fracos! Então meus poucos e caros leitores, quando alguém lhe dizer ou quando ouvir no radio, TV  ou na mídia impressa, que são livres e democráticos, não acreditem, pois não são! Se tem um lugar que ainda podemos nos expressar, esse lugar ainda é a internet, só não sei até quando! Faça algo pela democracia, crie seu BLOG, escreva em algum, mova-se e não te cale por nada! Nós somos aquilo que acreditamos.